Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bibliotecas Escolares de Alcochete

"Juntos aprendemos mais"

Bibliotecas Escolares de Alcochete

"Juntos aprendemos mais"

Sugestão - 3.º ciclo

O Caderno do avô Heinrich de Conceição Dinis Tomé

Caderno do avô Henrich.png

«Heinrich e Jósef conheceram-se na Polónia. Heinrich tinha chegado há pouco tempo da Alemanha, porque o pai não queria que o filho crescesse num país onde então dominavam o ódio, o preconceito, o abuso do poder e todas as formas de fanatismo. Naquele tempo, o homem que tinha subido ao poder resolveu dominar o mundo e perseguir todos aqueles que considerava serem de raças inferiores como os judeus ou os ciganos, e também todas as pessoas que lhe opusessem resistência. Esse homem chamava- se Adolf Hitler. Esta história, escrita com grande sensibilidade, conta-nos como Heinrich, e o seu amigo judeu, Jósef, apesar de tudo o que sofreram, conseguiram manter uma amizade que ficou para a vida. A autora mostra-nos ainda como o amor pelos livros e pela leitura, e a capacidade humana de criar beleza são importantes para promover a paz entre os povos. Prémio Literário Maria Rosa Colaço.»

Sugestão de leitura: Viagem ao património português

património.jpg

Com o desconfinamento a decorrer em diversas fases, as famílias começam a pensar em sair de casa e a procurar lugares interessantes para visitar e preparam-se para agendar as suas férias. O sol, o calor e a vontade de estar ao ar livre já as faz querer viajar... e este ano é "cá dentro".

Um livro de Rita Jerónimo e Alberto Faria que é também um convite à descoberta de Portugal, à boleia de viagens em família, em sintonia com as férias e escapadelas possíveis para um Verão pós-confinamento.

"Os avós da Sara e do Tomás desafiaram os netos para uma viagem à descoberta do património cultural português reconhecido como Património da Humanidade pela UNESCO. Ao longo do passeio vão ficar a conhecer a Paisagem do Douro Vinhateiro, os Bonecos de Estremoz, o Convento de Cristo, o Fado, entre muitos outros tesouros do nosso país.

As ilustrações bem-humoradas de Alberto Faria, combinadas com o rigor e a criatividade do texto de Rita Jerónimo, tornam esta viagem inesquecível para leitores de todas as idades.

E no final, as observações divertidas e curiosas dos irmãos e as explicações simples, e cheias de sabedoria, do avô Zé e da avó Alice vão deixar saudades.

Afinal, a «saudade» é ou não é um património cultural imaterial português?"

Boas leituras.

In: Editora Fábula

Sugestão de leitura - O 1º direito

livro_1_direito.jpg

Autor: Ricardo Henriques / Ilustrador: Nicolau / Editora: Pato Lógico

“O que fazem as pessoas nos tempos livres?”, começa por perguntar uma menina que, ficamos a saber pouco depois, passa os dias à janela. Chama-se Graça e descreve assim as actividades dos seus pais: “A minha mãe passeia os cães dos velhinhos do bairro e o meu pai joga às cartas de fato de treino.”

E que faz ela? “Eu faço observação de pessoas.” Esta afirmação encima um plano, expressivo e esclarecedor, em que se vê a menina de costas, cotovelos no parapeito e cabeça apoiada na mão. Em frente, a vida na rua e nas casas, com muitas silhuetas a revelar o que se passa para lá das janelas transparentes.

Graça, que está numa quarentena forçada, mas… individual, fala-nos tranquilamente dos habitantes que já conhece e das suas profissões: uma hospedeira vaidosa (Miss Apertem os Cintos), “um músico mais ou menos famoso” (Roberto Raposa), um casal de advogados que tem “dois gémeos idênticos que choram em estéreo”, a Dona Camomila, que bebe chá, “dois jornalistas, um das palavras e outro dos retratos”.

Mas o que inquieta a menina é o vizinho novo. “No 1.º Direito mora um mistério. Deixei-o para o fim porque acabou de se mudar. Há uma semana que observo naquela janela um homem de ar sério, que passa os dias a olhar para o infinito.”

A sua imaginação fará com que acredite que planeia um assalto. Por isso muito se assustou quando viu a própria mãe dentro da casa do vizinho. Pouco antes, tinha concluído que o homem tinha uma arma.

In: Letra Pequena, blogue do jornal Público

Sugestão de leitura adultos/família

Os Testamentos - A sequela da História de Uma Serva - de Margaret Atwood

Finalmente a sequela de "A História de Uma Serva". A obra-prima distópica de Margaret Atwood, "A História de Uma Serva", tornou-se um clássico do nosso tempo cuja conclusão conhecemos nesta deslumbrante sequela. Quinze anos depois de "A História de Uma Serva", o regime teocrático da República de Gileade mantém-se no poder, mas há sinais de que está a começar a cair por dentro.

Neste momento crucial, os percursos de três mulheres radicalmente diferentes cruzam-se com resultados potencialmente explosivos.

Duas cresceram em diferentes territórios, separadas por uma fronteira: uma, a filha privilegiada de um Comandante de alta patente, em Gileade, e a outra no Canadá, onde acompanha ativamente os horrores praticados pelo regime do país vizinho.

Às vozes destas duas jovens, saídas da primeira geração que cresceu sob a nova ordem, junta-se a voz de uma terceira, uma mulher que é um dos carrascos do regime de Gileade, cujo poder se baseia nos segredos que foi reunindo sem escrúpulos e que usa de forma cruel. São estes segredos, há muito enterrados, que irão aproximar estas três mulheres, forçando-as a aceitarem-se e a defenderem as suas convicções mais profundas.

Considerado o "O evento literário do ano" pelo de The Guardian

 

Leitura secundário

BD - O Legado de Júpiter - Livro 1: Luta de Poderes

Chloe e Brandon são filhos dos maiores heróis do mundo.
Será que estão à altura do seu legado?

Em 1932, a busca por uma misteriosa fonte de energia e poder leva Sheldon Sampson, bem como o seu irmão Walter e um pequeno grupo de companheiros, numa viagem arriscada a uma estranha ilha perdida. Décadas mais tarde, Sheldon e Walter tornaram-se em super-heróis celebrados por todo o mundo. Mas uma nova geração de super-humanos tem de seguir os seus passos, e a missão anuncia-se difícil... sobretudo quando dois lados da família iniciam uma luta terrível pelo poder. Quanto tempo poderá o mundo sobreviver a uma guerra entre seres super-poderosos?

 

Regresso às Aulas – 11º e 12º Anos de Escolaridade

Regresso às aulas presenciais

"Neste regresso às aulas presenciais é importante que a comunidade educativa esteja sensibilizada para as regras de segurança a adotar nos recintos escolares no sentido de conter a propagação do novo coronavírus, constantes das orientações já enviadas às escolas."

Caso ainda existam dúvidas, por favor, consultem o link abaixo, pois contém toda a informação necessária relativamente aos procedimentos a adotar. É importante continuarem em segurança.

https://www.dgeste.mec.pt/

Fonte: DGEsTE, 18/05/2020

Dia Internacional dos Museus

Museu Nacional de Arte Antiga em casa "As Tentações de Santo Antão"

Hoje, o Museu de Arte Antiga volta abrir as suas portas. Mas, para aqueles que ainda não o conseguem fazer podem, a partir de casa, através da plataforma Google Arts&Culture, pode participar numa viagem virtual pelas coleções e (re)descobrir pormenores nas peças do acervo. Seguindo-nos nas redes sociais, além de ficar a conhecer a nossa atividade, pode assistir às visitas guiadas em vídeo que relevam histórias, e algumas curiosidades, sobre os grandes ícones do Museu

 

Dia Internacional dos Museus

uma visita virtual ao Convento de Cristo

convento de cristo.png

O inicio do Convento de Cristo dá-se após a reconquista de Santarém em 1147 por D.Afonso Henriques, com o repovoamento da zona do ribatejo. A construção do Castelo Templário em 1160 enquadra-se nesta linha defensiva natural que era o Tejo. De seguida foi construída a Charola original romanica. A ordem dos templários é dissolvida entre 1307-1312, e D.Dinis nacionaliza-a dando-lhe o nome de Ordem de Cristo em 1319. O Convento irá sofrer importantes ampliações durante os séc. XV e XVI, as quais vemos actualmente sob a forma do actual corpo rectangular da Igreja. Em 1529 no reinado de D.João III dá-se a restruturação do Convento, e Frei António de Lisboa manda mestre biscaino João de Castilho construir um novo claustro (1530-1565) onde actualmente vemos o claustro renascentista (1557-1580) projectado por Diogo de Torralva e alterado por Filipe Terzi em 1587 durante o reinado de Filipe II. João de Castilho trabalha aqui até à sua morte em 1553, construindo os claustros da Hospedaria, Micha e Corvos, e os aposentos do Convento.

http://santarem.360portugal.com/Concelho/Tomar/ConventoCristo/?fbclid=IwAR0C_hnsJ5aSYlKsgmqKc7-EpGoPDCypwi4hl0_gQNAtN1WA4YtiO_wpbbU

Pág. 1/3