Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bibliotecas Escolares de Alcochete

"Juntos aprendemos mais"

Bibliotecas Escolares de Alcochete

"Juntos aprendemos mais"

Sugestão - 3.º ciclo

O Caderno do avô Heinrich de Conceição Dinis Tomé

Caderno do avô Henrich.png

«Heinrich e Jósef conheceram-se na Polónia. Heinrich tinha chegado há pouco tempo da Alemanha, porque o pai não queria que o filho crescesse num país onde então dominavam o ódio, o preconceito, o abuso do poder e todas as formas de fanatismo. Naquele tempo, o homem que tinha subido ao poder resolveu dominar o mundo e perseguir todos aqueles que considerava serem de raças inferiores como os judeus ou os ciganos, e também todas as pessoas que lhe opusessem resistência. Esse homem chamava- se Adolf Hitler. Esta história, escrita com grande sensibilidade, conta-nos como Heinrich, e o seu amigo judeu, Jósef, apesar de tudo o que sofreram, conseguiram manter uma amizade que ficou para a vida. A autora mostra-nos ainda como o amor pelos livros e pela leitura, e a capacidade humana de criar beleza são importantes para promover a paz entre os povos. Prémio Literário Maria Rosa Colaço.»

Dia Internacional dos Museus

uma visita virtual ao Convento de Cristo

convento de cristo.png

O inicio do Convento de Cristo dá-se após a reconquista de Santarém em 1147 por D.Afonso Henriques, com o repovoamento da zona do ribatejo. A construção do Castelo Templário em 1160 enquadra-se nesta linha defensiva natural que era o Tejo. De seguida foi construída a Charola original romanica. A ordem dos templários é dissolvida entre 1307-1312, e D.Dinis nacionaliza-a dando-lhe o nome de Ordem de Cristo em 1319. O Convento irá sofrer importantes ampliações durante os séc. XV e XVI, as quais vemos actualmente sob a forma do actual corpo rectangular da Igreja. Em 1529 no reinado de D.João III dá-se a restruturação do Convento, e Frei António de Lisboa manda mestre biscaino João de Castilho construir um novo claustro (1530-1565) onde actualmente vemos o claustro renascentista (1557-1580) projectado por Diogo de Torralva e alterado por Filipe Terzi em 1587 durante o reinado de Filipe II. João de Castilho trabalha aqui até à sua morte em 1553, construindo os claustros da Hospedaria, Micha e Corvos, e os aposentos do Convento.

http://santarem.360portugal.com/Concelho/Tomar/ConventoCristo/?fbclid=IwAR0C_hnsJ5aSYlKsgmqKc7-EpGoPDCypwi4hl0_gQNAtN1WA4YtiO_wpbbU

Sugestão de Leitura - Tudo é Sempre Outra Coisa de João Pedro Mésseder


Tudo é sempre outra coisa.jpg

A leitura deste livro pode começar por qualquer página. Mas, se se começar pelo princípio, descobre-se que há aqui alguém que gosta de ver o que há do outro lado.
E que lado é esse? Talvez o outro lado do que se vê, o outro lado do que se ouve, o outro lado do que se sente. Até o outro lado de cada palavra, que as palavras às vezes têm vários lados, como as coisas. E há prosa que parece poesia, poesia que parece prosa... Porque nem tudo é só o que parece ser. Como dizia certo poeta, tudo é sempre outra coisa...

Livro recomendado pelo PNL para o 7º ano de escolaridade

Sugestão de Leitura

Vamos comprar um Poeta de Afonso Cruz

vamos comprar um poeta.jpg

Numa sociedade imaginada, o materialismo controla todos os aspetos das vidas dos seus habitantes. Todas as pessoas têm números em vez de nomes, todos os alimentos são medidos com total exatidão e até os afetos são contabilizados ao grama. E, nesta sociedade, as famílias têm artistas em vez de animais de estimação. A protagonista desta história escolheu ter um poeta e um poeta não sai caro nem suja muito - como acontece com os pintores ou os escultores - mas pode transformar muita coisa. A vida desta menina nunca mais será igual…

Uma história sobre a importância da Poesia, da Criatividade e da Cultura nas nossas vidas, celebrando a beleza das ideias e das ações desinteressadas.

Recomendação PNL para o 3.º ciclo

 

 

 

 

O livro de Cesário Verde

 

Cesário Verde nasceu em Lisboa, a 25 de fevereiro de 1855 e faleceu a 19 de julho de 1866. 

No seu estilo delicado, Cesário empregou técnicas inpressionistas, com extrema sensibilidade ao retratar a cidade e o campo, que são os seus cenários predilectos. Evitou o lirismo tradicional, expressando-se de uma forma mais natural. 

A observação das situações do quotidiano é o ponto de partida preferencial para os poemas de Cesário Verde. É o mundo real, rotineiro, que é retratado e analisado, servindo de suporte às ideias e sentimentos do poeta.

Os sujeitos poéticos criados por Cesário Verde são atentos ao que se passa. Aquilo que para outro transeunte seria uma banalidade é, na perspectiva do poeta, parte de um quadro do real.  (in Wikipédia).

"Ao contrário da prosa de Eça, de Ramalho ou de Camilo, a sua poesia ...é de tal forma revolucionária que parece vir de outro planeta. As circunstâncias históricas e pessoais são incapazes de explicar a sua voz: é isso que o torna genial."

Maria Filomena Mónica

https://ensina.rtp.pt/artigo/o-livro-de-cesario-verde/

Fonte: RTP Ensina

Conteúdos Relacionados:

https://www.escritas.org/pt/cesario-verde

http://alfarrabio.di.uminho.pt

https://pt.slideshare.net/tonia.m/cesrio-verde

 

 

 

 

Vanessa vai à Luta de Luísa Costa Gomes

vanessa vai à luta.jpg

A Mãe diz que eu devia querer uma coisa de menina. Diz que sou uma menina e que tenho de querer coisas de menina, senão os rapazes não gostam de mim. Já reparaste como são estúpidos os brinquedos das raparigas?

Descobre a luta da pequena Vanessa contra os estereótipos da sociedade nesta divertida peça de teatro escrita numa linguagem jovem e atual.

Obra recomendada para o 8.º ano disponivel aqui em PDF.

Contactos

Email: be.aealcochete@sapo.pt